20 de outubro de 2021 às 22:15
Escolha seu idioma:

CURTA NOSSA PÁGINA DO FACEBOOK E RECEBA NOVIDADES

Governista Carlos Alvarado é eleito novo presidente da Costa Rica


Publicado em: 02/04/2018 7:04
Por:


Candidato de centro-esquerda foi eleito com 60,66% dos votos, após apuração de 90% das urnas. Ele derrotou Fabricio Alvarado, candidato evangélico, contrário ao casamento de pessoas de mesmo sexo.

O candidato governista do Partido Ação Cidadã (PAC), Carlos Alvarado, venceu, neste domingo (1º), o segundo turno das eleições presidenciais na Costa Rica, com o apoio de 60,66% dos eleitores, após a apuração de 90,62% das mesas de votação.

O resultado foi anunciado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) da Costa Rica, quando divulgou o primeiro relatório das apurações, cerca de 2h30 depois do fechamento dos colégios eleitorais.

Carlos Alvarado Quesada, ex-ministro do Desenvolvimento Social, tem 38 anos, é jornalista e cientista político. Candidato pelo Partido Ação Cidadã (PAC), atualmente está no governo, defende uma agenda que inclui o casamento gay e o Estado laico.

Ele derrotou Fabricio Alvarado Muñoz, evangélico e ex-deputado de 43 anos, contrário ao casamento entre pessoas do mesmo sexo, e candidato pelo partido conservador Restauração Nacional (RN), um partido surgido das igrejas neopentecostais que tiveram um aumento no número de fiéis na Costa Rica nas últimas décadas.

As eleições deste ano na Costa Rica foram marcadas pela polarização. “É a primeira vez que se polariza uma eleição na Costa Rica entre temas religiosos e de direitos humanos”, comentou o analista Gustavo Araya, da Faculdade Latino-americana de Ciências Sociais (Flacso).

Fabricio Alvarado se tornou uma opção viável no primeiro turno eleitoral depois que anunciou, no dia 10 de janeiro, sua intenção de retirar a Costa Rica da Corte Interamericana de Direitos Humanos (CorteIDH), que um dia antes havia se pronunciado a favor do casamento homossexual.

Carlos Alvarado, ao contrário, defende esse tipo de união, o Estado laico e uma agenda de direitos humanos.

Comentários