quarta-feira, 21 fevereiro, 2024

EXPEDIENTE | CONTATO

Deputado Binho Galinha é alvo de operação da PF contra milícia

Parlamentar baiano pode estar ligado a organização criminosa especializada na lavagem de capitais

O deputado estadual Binho Galinha (Patriota) é um dos alvos da Operação El Patron deflagrada na manhã desta quinta-feira, 7. O parlamentar é suspeito de liderar a organização criminosa ORCRIM, especializada na lavagem de capitais advindos de jogo do bicho, agiotagem, extorsão, receptação qualificada, desmanche de veículos, entre outras infrações penais, atuante em Feira de Santana e cidades vizinhas. A informação foi confirmada pela Assembleia Legislativa da Bahia (Alba) ao Portal A TARDE.

Na ação, realizada em conjunto com a Receita Federal, o Ministério Público Estadual e a Força Correcional Integrada FORCE/COGER/SSP/BA, foram expedidos 10 mandados de prisão preventiva, 33 mandados de busca e apreensão, bloqueio de mais de R$ 700 milhões das contas bancárias dos investigados e o sequestro de 26 propriedades urbanas e rurais, além da suspensão de atividades econômicas de seis empresas, em cumprimento à decisão do Juízo da 1º Vara Criminal de Feira de Santana.

Além do deputado, a PF indicou a participação de três policiais militares da Bahia, os quais integrariam o braço armado do grupo miliciano, cujas atribuições seriam de efetuar cobranças, mediante violência e grave ameaça, de valores indevidos oriundos de jogos ilícitos e empréstimos a juros excessivos.

A investigação começou após recebimento de ofício encaminhado pelo MP-BA, relatando graves ilícitos penais que estariam sendo perpetrados na região. Com o aprofundamento das diligências, colheram-se elementos probatórios que revelaram a participação dos indiciados num grupo miliciano e evidenciaram parte de sua estrutura, inclusive o seu poderio econômico.

A Receita Federal, em cumprimento à ordem judicial, produziu relatórios apontando inconsistências fiscais dos investigados, movimentação financeira incompatível, bem como propriedade de bens móveis e imóveis não declarados e indícios de lavagem de dinheiro.

A investigação continuará para apuração de eventuais outros envolvidos. Se condenados pelos crimes cometidos, os investigados se sujeitarão a penas máximas que, somadas, podem ultrapassar 50 anos de reclusão.

Operação foi deflagrada na manhã desta quinta-feira, 7, em Feira de Santana – 

Arquivos