quarta-feira, 21 fevereiro, 2024

EXPEDIENTE | CONTATO

Éden repudia ataques sofridos por Moema: ‘expediente derrotado nas urnas’

Vereadores da oposição à prefeita, do município de Lauro Freitas, Moema Gramacho (PT) a teria insultado e agredido durante a leitura da mensagem do Executivo

O presidente do Partido dos Trabalhadores (PT), Éden Valadares classificou como lamentável a forma com que os vereadores da oposição à prefeita, do município de Lauro Freitas, Moema Gramacho (PT) a teria insultado e agredido durante a leitura da mensagem do Executivo, na abertura dos trabalhos Câmara de Vereadores.  Segundo o dirigente, trata-se de um expediente ‘derrotado nas urnas’.

“Apresentamos nosso total repúdio às agressões sofridas pela prefeita Moema Gramacho na Câmara de Vereadores de Lauro de Freitas. O parlamento deve ser um espaço de diálogo e até da boa divergência. Mas nunca da agressão. Essa postura de usar a violência como expediente político foi derrotada nas urnas pelo povo brasileiro. A Bahia, inclusive, foi o estado que mais reprovou essa lógica bolsonarista dando mais de 6 milhões de votos para o Presidente Lula. Vamos acompanhar a identificação e responsabilização de quem cometeu tais atos e seguiremos em defesa de Moema, da sua história e trajetória, sempre em defesa da democracia. A truculência não vai nos intimidar”, destacou o presidente Éden.

Ele destacou que Moema tem mais de 40 anos de vida pública, foi deputada estadual, federal, secretária de Estado e prefeita, função essa que ela exerce pela quarta vez em Lauro, e precisou ser escoltada, ao ter seu cabelo puxado por uma dissidente enquanto subiu o elevador.

Éden frisou que esse tipo de comportamento não é admissível e que os culpados sejam punidos na forma da lei. O dirigente partidário argumentou ainda que oposição se faz no campo das ideias, e não com xingamentos, depreciações, com o expediente da violência.

“Para se fazer oposição, é necessário ter argumentos e críticas para apresentá-las quando não se concorda ou quando não se chega a consensos A oposição precisa se qualificar um pouco mais e aprender a fazer o debate de ideias sem apelar para a baixaria e agressão”.

Foto: João Victor Medeiros/bahia.ba

Arquivos