domingo, 19 maio, 2024

EXPEDIENTE | CONTATO

Fechada desde 2019 para reforma, Biblioteca Anísio Teixeira é reinaugurada

A instituição, provisoriamente instalada no Pelourinho, volta ao prédio original na Ladeira de São Bento, que abriga 11 mil títulos

Após um investimento de R$ 7,5 milhões, a nova Biblioteca Anísio Teixeira foi reaberta nesta quinta-feira. Além dos  11 mil livros do acervo, outros destaques do espaço são oficinas e materiais didáticos para pessoas com deficiência audiovisual e também formação em libras. O imóvel, que é tombado, passou por uma grande obra conduzida pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), que teve início em janeiro de 2019. A  estimativa de conclusão  era um ano, mas a reforma sofreu atraso por conta da pandemia.

A biblioteca, localizada na Ladeira de São Bento, no Centro de Salvador, conta com salas multiuso, setor de empréstimo, periódicos, de estudo, pesquisa e infantil, videoteca e auditório. O pátio externo conta com um espaço de convivência para realização de atividades culturais e educativas, além de abrigar um café. Apesar de reabera, a bibliotpós segue em recesso de final de ano desta sexta (30) até segunda (2), reabrindo suas portas para o público na terça (3), funcionando de segunda a sexta, das 8h às 17h, e aos sábados, das 8h30 às 12h. O acesso é livre e gratuito.

Com recursos oriundos do Fundo de Defesa dos Direitos Difusos (FDDD) do Ministério da Justiça, foi realizada na BAT uma requalificação corretiva, sob a coordenação do Iphan. A unidade foi entregue à Fundação Pedro Calmon (FPC) no início deste mês. Foram realizados a implantação de sistema de climatização, acessibilidade, instalações elétricas e hidráulicas, de combate a incêndio, além de novas áreas técnicas e administrativas.Diretor-geral da FPC, Zulu Araújo destaca a importância da manutenção destes equipamentos culturais para a sociedade: “Hoje as bibliotecas não são apenas um espaço de guardar livros, são espaços de trocas culturais, de experiências entre várias gerações e classes sociais. Requalificar estes espaços é um dever do Estado e um direito do cidadão”.

Segundo Zulu, a biblioteca tem a mesma importância daquele que dá nome à unidade: Anísio Teixeira. “Ele foi um educador, que primava e considerava fundamental a educação, o conhecimento, escrita e leitura, para que o país se desenvolvesse”, pontuou o diretor-geral. O espaço, de acordo com ele, tem por obrigação proporcionar para a juventude baiana o acesso à história da Bahia e ao que circula do mundo.

A diretora da biblioteca Laura Galvão ressaltou que o espaço é uma ferramenta transformadora. “Nós trabalhamos com leitura, escrita, além da nossa programação cultural e cursos de capacitação. Além de atividades também para pessoas em situação de rua”, destacou. Ela aproveitou para chamar a população baiana para conhecer o local: “Pode vir, pegar um livro, ler aqui, estudar, temos o espaço para isso, além de pessoas especializadas para atender o visitante. Também dá para pegar o livro emprestado”, acrescentou.

A biblioteca levou 10 anos para ser reformada. Sobre a demora, o Iphan explicou que o “imóvel se encontrava em estado de arruinamento avançado, com escombros em seu interior e perda de vários elementos, como diversas paredes internas. Após a limpeza no interior das edificações e início dos serviços, como é costumeiro em obras de restauração, surgiu a necessidade de adaptações do projeto à realidade do estado de conservação do prédio, em especial aqueles que estão muito deteriorados. Isso leva à necessidade de reformulação dos projetos de arquitetura e complementares, o que demanda tempo”.

Enquanto aguardava a obra, a biblioteca já passou por outros dois endereços: o prédio ao lado, na própria Ladeira de São Bento, e depois o Pelourinho. Rita Siqueira, de 75 anos, era uma das frequentadoras assíduas da BAT e foi acompanhando-a a cada novo endereço. Ela não “via a hora de vê-la aberta novamente na Ladeira de São Bento”.

Seguindo a tradição de ser uma biblioteca inclusiva, a Anísio Teixeira recebeu óculos OrCam, que fazem a leitura do texto e o transformam em áudio para pessoas com deficiência audiovisual e analfabetos. Rita Siqieira gostou da novidade e defende a existência das bibliotecas. Ela chegou a Salvador há cerca de 54 anos e, em Paulo Afonso, onde morava, não tinha esses espaços. “Era a professora que me emprestava os livros. Aí, quando eu vim para Salvador, quando me casei, passei a ser fã das bibliotecas da cidade. Livro é um negócio caro, né? Não dá para sair comprando assim, é, no máximo, um sebo. Mas é o jeito que a gente que não tem muito dinheiro encontra para se distrair. Porque eu nunca tive dinheiro para sair muito, para viajar, então as minhas viagens eu faço através dos livros”, conta.

Arquivos