quarta-feira, 21 fevereiro, 2024

EXPEDIENTE | CONTATO

Pré-candidato a prefeito crítica a atual gestão em podcast

“A prefeitura de Camaçari é bilionária, mas é perdulária. Não prioriza a saúde pública”, dispara Oswaldinho sobre a falta de hospital municipal

Pré-candidato a prefeito do município teceu críticas a atual gestão em podcast

Na corrida eleitoral pela prefeitura de Camaçari, na região metropolitana de Salvador, o radialista e líder da oposição da cidade, Oswaldinho Marcolino (MDB), teceu severas críticas à gestão atual, comandada por Elinaldo Araújo (UB), durante apresentação do seu podcast ‘Pod Mudar’, exibido semanalmente.

A principal queixa do postulante emedebista é a falta de um hospital público municipal em Camaçari, que é a quarta cidade mais populosa e a segunda maior economia do estado. De acordo com Oswaldinho, a construção de um centro de saúde municipal deve extinguir o êxodo da população camaçariense, que costuma buscar atendimento em cidades vizinhas, e desafogar a fila pela regulação da Secretaria da Saúde (Sesau).

“A prefeitura de Camaçari é bilionária e perdulária. Não cuida do essencial que é a saúde pública. Não cabe aos contribuintes camaçarienses esperarem por uma vaga na regulação, tendo uma das prefeituras que mais arrecada no estado. É preciso garantir uma saúde qualidade para todos. Deixar a regulação, o HGE, o Clériston Andrade para os municípios mais carentes, cuja receita é basicamente o FPM (Fundo de Participação dos Municípios), e, portanto, não têm recursos para hospital próprio. Essa é a realidade”, disse.

Oswaldinho ainda resgatou um vídeo onde o atual mandatário, em campanha política, defende a construção de um hospital municipal, comparando Camaçari com municípios menores que possuem o equipamento. Ainda no vídeo disponível na internet, o então prefeito afirma que Camaçari deve “parar de viver dos favores do Hospital Geral, que é do estado, e para atender a região metropolitana”.

“Estava assistindo um vídeo, na época que o atual prefeito era candidato, em que ele dizia que não era possível que Camaçari com a receita de um bilhão não tenha um hospital municipal. Hoje Camaçari dobrou a receita e ele não fez. Ele prometeu que construiria o hospital e a maternidade, não fez nenhum dos dois. Camaçari agora tem maternidade, mas quem fez foi o governo do estado”, apontou. Oswaldinho.

Sobre a fila da regulação, um dos principais desafios enfrentados pelo Sistema Único de Saúde (SUS) na Bahia, Oswaldinho acusou a prefeitura de aproveitar da situação para criar uma “cortina de fumaça” para desviar atenção do fato da cidade que detém o segundo maior PIB do estado não possuir um hospital municipal.

“O prefeito de Camaçari e seus aliados precisam parar de querer enganar a população com a cobrança por regulação. Isso é claramente uma tentativa de colocar uma cortina de fumaça sobre sua negligência com a saúde dos munícipes, o hospital municipal e a maternidade foram promessas de campanha em 2016, oito anos se passaram e ele não cumpriu. Mas o povo não esqueceu, e o momento certo de cobrar está chegando. A resposta virá nas urnas, quando a população irá reprovar sua gestão e rejeitar o seu candidato”, finalizou.

Foto: ascom

Arquivos