domingo, 19 maio, 2024

EXPEDIENTE | CONTATO

Transporte público de Salvador não possui plano de contingência para apagões

O apagão desta quarta-feira, 21, causou uma série de transtornos aos moradores de Salvador e outras cidades do Norte e Nordeste. Na capital baiana, um dos principais problemas estava relacionado ao transporte público, que não possui um plano de contigência para situações como esta.

Além dos semáforos desligados por conta da falta de energia, que causaram congestionamentos em diversos pontos da cidade, o metrô também paralisou o atendimento, deixando estações lotadas de passageiros que dependem do sistema para se locomover.

O secretário municipal de Mobilidade Urbana, Fábio Mota, ressaltou que a prefeitura já possuía um plano de contigência para a paralisação do metrô, mas o apagão afetou a movimentação dos ônibus por toda a cidade.

“Colocamos 100 ônibus extras ligando as estações da Lapa, Pirajá, Acesso Norte e Mussurunga, mas houve o blecaute, que deixou as sinaleiras desligadas. Ativamos as linhas de ônibus por onde passa o metrô mas, como a cidade estava congestionada, o ônibus não conseguiu chegar nas estações. Nós temos um plano de contigência para a paralisação do metrô, mas ele não funcionou por causa do apagão. Se houver outro apagão, infelizmente teremos novas dificuldades, porque ninguém está preparado para um apagão”, revelou o secretário em entrevista à TV Record.

Segundo Mota, estes coletivos extras reativaram as linhas que foram extintas após a integração com o metrô, que ligavam as principais estações de Salvador.

Entretanto, os passageiros que tentavam voltar para a casa no final da tarde desta quarta encontraram ônibus lotados, e muitos tiveram de caminhar por longas distâncias para conseguir um ônibus mais vazio.

Outro problema foi em relação aos ônibus metropolitanos, que não fazem integração com os veículos urbanos, apenas com o metrô. Por isso, os passageiros que utilizam os metropolitanos tiveram de aguardar nas estações do metrô o retorno do serviço.

Arquivos