13 de agosto de 2022 às 21:53
Escolha seu idioma:

CURTA NOSSA PÁGINA DO FACEBOOK E RECEBA NOVIDADES

Agentes de endemias: deputado critica falta de reajuste salarial


Publicado em: 11/05/2022 14:39
Por: Redação Bahia Municipios com Agências Foto: Divulgação


Robinson Almeida disse que “prefeito atual segue o exemplo do ex”

O deputado estadual Robinson Almeida (PT) criticou o prefeito Bruno Reis (União Brasil) por consolidar Salvador como a única cidade da Bahia que não paga o Piso Nacional Salarial aos Agentes Comunitários de Combate às Endemias, hoje estipulado em dois salários-mínimos, o que equivale, atualmente, a R$ 2.424,00. O parlamentar recorda que os agentes de saúde na capital tem R$ 877,07 como salário-base inicial na Prefeitura e que há 9 anos, desde a gestão do ex-prefeito ACM Neto (União Brasil), não é reajustado.

Os trabalhadores estão mobilizados para que a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 120, promulgada pelo Congresso Nacional, seja cumprida na capital baiana com o pagamento do piso do salarial dos agentes.

“É uma vergonha. Salvador não paga o piso aos agentes comunitários de saúde. É a única cidade da Bahia que não paga o piso aos agentes de saúde”, criticou o petista. “O prefeito atual segue o exemplo do ex, não dialoga com a categoria, desrespeita e maltrata os trabalhadores da saúde que são fundamentais na proteção da saúde dos soteropolitanos e foram importantíssimos no enfrentamento à pandemia, muitas vezes colocando suas vidas e de suas famílias em risco”, enfatizou o parlamentar.

Almeida também criticou a cobertura da atenção básica na capital.

“A pior atenção básica de saúde entre todos os municípios baianos é de Salvador. O índice de cobertura não chega a 63%, qualquer cidade do interior é acima de 80% no atendimento primário, aquele que é fundamental à proteção da saúde e evita que as pessoas desenvolvam doenças ou evoluam para quadros graves. Salvador não tem uma política de controle, por exemplo, da diabetes e da hipertensão, doenças que acomete um percentual grande de solteropolitanos que, por não ter atendimento e acompanhamento precoce na atenção básica, desenvolvem as formas mais graves”, finalizou o parlamentar.

 

Comentários