25 de junho de 2021 às 09:55
Escolha seu idioma:

CURTA NOSSA PÁGINA DO FACEBOOK E RECEBA NOVIDADES

Atividade física ajuda a melhorar sintomas das doenças respiratórias


Publicado em: 16/04/2021 20:28
Por: Pietro Raña - Pipa Comunicação Foto: Divulgação


Manter uma rotina de exercícios durante o período de isolamento exigido por causa da pandemia do coronavírus tem sido desafiador. Porém, tentar manter a disciplina é importante para promover benefícios à saúde. Manter o corpo ativo melhora a qualidade de vida, além de fortalecer os músculos, ajudar na prevenção da obesidade e no cuidado com o coração. Fazer uma atividade física também otimiza a saúde de quem sofre com as doenças respiratórias crônicas, como a bronquite crônica, a rinite, a asma e as condições mais graves, como o enfisema pulmonar. “Fortalecer os músculos beneficia o fluxo de oxigênio no organismo e o condicionamento cardiorrespiratório, promovendo assim bem-estar para quem sofre com problemas respiratórios, como asma, por exemplo”, explica Guilherme Reis, Coordenador Geral da Rede Alpha Fitness.

Pessoas que sofrem com doenças respiratórias acreditam que o esforço provocado pela dança, a prática de um esporte, ou a ida à academia vai dificultar a respiração, mas na verdade é o contrário: eles melhoram a saúde. No mundo, mais de 235 milhões de pessoas sofrem com a asma, de acordo com levantamento da Organização Mundial de Saúde (OMS). Os exercícios apresentam efeitos práticos no dia a dia, já que ajudam na rotina, como: subir e descer escadas, correr e caminhar. “Ter um estilo de vida sedentário, sem nenhuma atividade que fortaleça o corpo, é o que realmente pode agravar as doenças respiratórias crônicas. Quem não se exercita, não fortalece os músculos, e músculos mais fortes são essenciais para o bom funcionamento do organismo. O início da prática da atividade escolhida pode até ser um desafio para quem não está acostumado, mas depois que o corpo se habitua, a melhora da respiração é nítida”, explica o especialista.

Antes de começar a praticar alguma atividade, porém, é necessário consultar um especialista, para saber quais modalidades são mais indicadas para seu caso e o nível de intensidade que poderá atingir durante a prática. “Seguindo a orientação adequada, a pessoa poderá realizar exercícios até que consiga conviver melhor com o problema”, finaliza Guilherme.

Comentários