30 de julho de 2021 às 13:17
Escolha seu idioma:

CURTA NOSSA PÁGINA DO FACEBOOK E RECEBA NOVIDADES

Contrato é assinado para construção de 560 moradias em Salvador


Publicado em: 29/05/2018 7:04
Por: Correio


Moradores de áreas de risco em Salvador ganharão a casa própria. No total, 560 famílias serão beneficiadas até o início de 2020 com a construção de dois conjuntos habitacionais do programa Minha Casa, Minha Vida no bairro do Subúrbio e na região do CIA/ Aerporto.

A assinatura dos contratos entre a prefeitura, a Caixa Econômica Federal e a construtora Sertenge foi realizada na tarde dessa segunda-feira (28) pelo prefeito ACM Neto, acompanhado do vice, Bruno Reis, e de representantes das instituições.

A região do Mané Dendê, localizada no Subúrbio Ferroviário, vai receber 260 unidades que serão erguidas até meados de 2019. O terreno foi disponibilizado pela Sertenge na Rua Pajuçara, no Alto da Terezinha. A expectativa é que o empreendimento beneficie residentes dos bairros de Santa Terezinha, Plataforma, Ilha Amarela, Itacaranha e Rio Sena. No total, cerca de mil residências serão construídas no local.

“A prioridade desta gestão é investir no social e na melhoria de vida de quem mais precisa. Vamos chegar ao fim de 2020 marcando um recorde mais expressivo, incluindo a busca de fontes de financiamento externo que são imprescindíveis para as ações de grande alcance”, afirmou o prefeito ACM Neto.

Urbanização
O conjunto habitacional do Mané Dendê faz parte do Programa de Saneamento Ambiental e Urbanização do Subúrbio de Salvador, que envolve obras de infraestrutura, drenagem, saneamento e habitação ao longo do curso principal do rio Mané Dendê.

Além de novas residências, serão realizadas obras de urbanização no entorno do conjunto, com a construção de escolas, posto de saúde, praças e parques. O rio será saneado. Atualmente, 34 mil famílias vivem na área de intervenção direta do projeto. As moradias ficam perto de esgoto e em terreno acidentado, com risco de contaminação por doenças, de inundação e deslizamento de encostas.

Na semana passada, o senado aprovou dois pedidos de contratação de operação de crédito externo para o município de Salvador, no valor total de US$ 192,5 milhões, para os projetos Salvador Social, com o Banco Mundial (BIRD), e Novo Mané Dendê, com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Sol Nascente
Além do conjunto do Mané Dendê, outras 300 unidades serão construídas no Residencial Sol Nascente II, localizado no Barro Duro, na CIA/Aeroporto. A unidade também contará com escola, creche e unidade básica de saúde, que serão construídas pelo município.

“Será feito sorteio de metade das unidades. A outra metade não irá para sorteio, essa foi uma orientação da prefeitura, porque elas vão para pessoas de várias localidades que vivem em áreas de risco”, destacou o secretário de Infraestrutura e Obras Públicas (Seinfra), Almir Melo.

O secretário informou também que das 11 famílias afetadas com o desabamento da encosta em Pituaçu, no mês de março, oito já receberam os contratos de unidades do Minha Casa, Minha Vida, assim como 98 famílias que têm crianças com microcefalia. As unidades que serão sorteadas são destinadas a famílias já cadastradas no programa.

“A prefeitura não vai poupar esforços para expandir o Minha Casa, Minha Vida. Ainda temos famílias que dependem do aluguel social e cuja única solução é dar uma nova casa. Sabemos que é um trabalho permanente, mas vamos diminuir essa quantidade de famílias que precisam da casa própria”, disse ACM Neto.

O investimento da Caixa nos dois empreendimentos será de cerca de R$ 46 milhões e mais de duas mil pessoas serão beneficiadas. Desde a implantação do Minha Casa, Minha Vida, mais de 2,6 bilhões de reais foram investidos na capital baia

“Em parceria com a prefeitura de Salvador, nós temos feito muito. Temos buscado priorizar áreas importantes por conta da necessidade das pessoas. A casa própria é o maior sonho do povo brasileiro e agradecemos à prefeitura por nos ajudar a realizar essa missão”, afirmou o superintendente da Caixa em Salvador, Anselmo Cunha.

Comentários