sábado, 15 junho, 2024

EXPEDIENTE | CONTATO

Educadores assistem à pré-estreia da série ‘A chave’

Na plateia da pré-estreia da segunda temporada da série ‘A chave’, exibida nesta terça-feira (20), no auditório da Secretaria da Educação do Estado, em Salvador, a professora Jaciara Araújo, 54 anos e 35 de carreira, assistia a si própria no telão e chorava de emoção, junto a um público não menos comovido com a sua história de amor, dedicação e garra pelo ofício que abraçou.
Exemplos como o de Jaciara serão exibidos aos sábados, a partir do dia 24, às 8h, pela TV Aratu. Estruturado em 15 episódios, com 26 minutos de duração cada um, o projeto é uma realização da TemDendê Produções, com o patrocínio da Agência Nacional de Cinema (Ancine) e apoio técnico da Secretaria da Educação.
“Me ver na tela, ver a minha realidade, juntamente com outras tantas pessoas, é um sonho, é sobrenatural. Chorei muito porque a emoção é grande. São 35 anos envolvida com a área da educação e agora estou me despedindo da escola. Não tem como o coração não ficar apertado, com um misto de saudade e alegria pelo dever cumprido e por saber que sou amada pelos meus ex e atuais alunos”, afirmou Jaciara.
Idealizadora do projeto, a diretora geral da TemDendê Produções, Vânia Lima, contou que a gravação e a montagem somaram cerca de oito meses de dedicação. “Foi um trabalho intenso de uma equipe com cerca de 18 pessoas, incluindo técnicos da Secretaria da Educação do Estado, que nos forneceram dados sobre as realidades desses professores-personagens, reproduzidas nos 15 episódios”.
Humanização da educação 
Presente ao evento, o secretário Walter Pinheiro ressaltou que “a chave do sucesso” na educação é a humanização. “A escola não é um centro de formação de apertadores de botão, nem tão pouco de formar gente com vistas a galgar determinadas etapas e muito menos preparar gente, como no passado, quando se pensava que era possível treinar pessoas dentro de uma escola para acessar provas ou coisa do gênero. Quando a formação é cidadã, ela se localiza no Território e tem grau de interação. Assim é possível fazer a transformação da vida das pessoas pela educação”.
Um dos diretores da série, Luiz Lippel comentou sobre a experiência de viajar pelo Brasil para a captação de histórias dos profissionais que fazem do seu ofício uma devoção. “Viajamos o Brasil inteiro, do extremo sul de São Paulo até o interiorzão da Bahia, como Banzaê, onde estivemos com professores indígenas. Foi muito especial, enriquecedor e emocionante contar 30 histórias de vida de pessoas que amam o que fazem”, relatou.
Espaço na TV
Já o diretor da TV Aratu, Ney Bandeira, destacou a importância de as televisões locais abrirem espaço em sua grade de programação para projetos como ‘A chave’. “Tradicionalmente, as TVs regionais se dedicam basicamente a fazer jornalismo. Inserir uma produção de série ou mesmo reportagens mais elaboradas é algo muito difícil, porque não tem quem financie isso. A TemDendê é pioneira no Nordeste nisso, junto à TV Aratu e mais nove emissoras afiliadas ao SBT. A Secretaria da Educação do Estado contribuiu com esse processo sinalizando as pautas com conteúdos educacionais muito interessantes”.

Arquivos