27 de julho de 2021 às 00:03
Escolha seu idioma:

CURTA NOSSA PÁGINA DO FACEBOOK E RECEBA NOVIDADES

Mesmo com postos sem combustível, frota de ônibus em Salvador não será reduzida


Publicado em: 24/05/2018 10:53
Por: Correio


Ao contrário de outras cidades brasileiras, Salvador não corre o risco de ficar sem ônibus devido à falta de combustíveis. O desabastecimento de combustíveis é uma das consequências do bloqueio das estradas do país pelos caminhoneiros. No Brasil, capitais como São Paulo e Rio de Janeiro já anunciaram a redução da frota para manter, ao menos, parte dos coletivos em circulação.

De acordo com o assessor de relações do trabalho do Consórcio Integra, Jorge Castro, os ônibus de Salvador têm uma reserva justamente por conta da greve dos rodoviários, encerrada na manhã desta quinta-feira (24).

Mobilização nacional
A paralisação dos caminhoneiros contra a alta do diesel continua em pelo menos 20 estados do País. Os protestos seguem apesar da decisão da Petrobras de reduzir o preço do diesel em 10% por 15 dias, da aprovação de projeto na Câmara que prevê alíquota zero de PIS-Cofins sobre o diesel até o fim do ano e o pedido do próprio presidente Michel Temer de uma trégua até sexta-feira (25) para encontrar uma solução.

Nesta quinta-feira, o Planalto volta a se reunir com representantes dos movimentos dos caminhoneiros. O encontro está marcado para as 14h na Casa Civil.
Em São Paulo (SP), a prefeitura estimou que 40% da frota, que conta com cerca de 14 mil veículos, não terá combustível para circular nesta quinta-feira. No Rio de Janeiro (RJ), a frota foi reduzida em 20%, enquanto o BRT está operando com 50% dos veículos nesta quinta. Em todo o estado do Rio de Janeiro, cerca de 40% das frotas municipais e intermunicipais não circularam desde quarta-feira (23).

Postos em Salvador
Os motoristas de carros particulares, porém, já estão sentindo os efeitos. Pelo menos 20% dos 250 postos de gasolina da Região Metropolitana de Salvador (RMS) já estão com problemas de abastecimento, segundo estimativa do presidente do Sindicato do Comércio de Combustíveis, Energias Alternativas e Lojas de Conveniências do Estado (Sindicombustíveis), Walter Tannus. No interior do estado a situação é ainda pior: pelo menos 50% dos postos cerca de 2 mil postos do interior estão sem gasolina e álcool.

Comentários