20 de outubro de 2021 às 23:44
Escolha seu idioma:

CURTA NOSSA PÁGINA DO FACEBOOK E RECEBA NOVIDADES

Taurino Araújo discursou em concorrido evento na UEFS


Publicado em: 03/05/2018 9:03
Por: Redação | Texto: Everaldo Góes | Fotos: Wikimedia Commons | atualizado em 10/05/2018 às 9:03


Taurino Araújo convidado palestrante da  I Jornada de Direito e Interpretação  que aconteceu no  dia 7 de maio, 19h,  no auditório da Universidade Estadual de Feira de Santana.

Organizada pelo professor Agenor Sampaio Neto, catedrático de Teoria do Direito da UEFS, o evento é  destinado a  alunos e professores  e também apresentará os lineamentos de Hermenêutica da desigualdade: uma introdução às Ciências Jurídicas e (também) Sociais, escrito por Taurino. Aguardem! No prelo.

O jurista e professor Taurino Araújo, acompanhado do jurista e catedrático, Agenor Sampaio Neto, no auditório da Universidade Estadual de Feira de Santana, durante a I Jornada de Direito e Interpretação.

 

Sobre o professor Taurino Araújo, a UEFS e seu livro

Hermenêutica da desigualdade: uma introdução às Ciências Jurídicas e (também) Sociais discorre sobre inserção da desigualdade entre os conceitos jurídicos fundamentais e uma ciência da interpretação para diminuí-la.

Ao propor uma nova Teoria Geral do Direito, Taurino Araújo  sobrepõe o fato de historicamente o Direito trabalhar com a ideia de que todos são iguais, do ponto de vista formal e arremata com a preposição de que, na verdade, os seres humanos são apenas semelhantes e, portanto, diferentes e, por isso, devem ser desdiferenciados, em vez de igualados formalmente.

Taurino Araújo sugere que a pessoa deve ser analisada pela singularidade e a expectativa é que, daqui para frente, a hermenêutica da desigualdade interfira no desfecho de pareceres e decisões judiciais, por se tratar de saber aplicável para especificidade de países, regiões, blocos, pessoas e sistemas.

Taurino atua como professor convidado em diversas disciplinas e instituições de ensino superior,  a exemplo da Universidade Estadual de Feira de Santana  onde  ministra palestras, congressos e participa de bancas examinadoras nas áreas de Ensino Jurídico, Religação de Saberes, Teoria Geral do Direito, Hermenêutica (Ciência da Interpretação), Transpessoalidade, Pensamento Sistêmico, Criminologia, História, Filosofia, Antropologia Jurídica, Ética na Comunicação e Campos Interdisciplinares.

A obra de Taurino Araújo é considerada pela crítica como de interesse não só para especialistas, tendo sido objeto de reiteradas resenhas publicadas pela grande mídia baiana, sendo  destinada a todos os que se iniciam em estudos sobre ciência, filosofia, comunicação e realidade, para pesquisadores e professores em temas afins, ou seja, governo, negócios, educação, saúde, política e terceiro setor.

Segundo o professor Nelson Cerqueira, considerado uma das maiores autoridades em hermenêutica do país, com trabalhos publicados em quatro continentes,  “há uma nota de reinvenção, impacto e esperança na obra  au-delà de Sócrates, Platão e Aristóteles. Até aqui o pensamento ocidental esteve mergulhado no paradigma da igualdade formal,  enquanto com sua hermenêutica da desigualdade Taurino Araújo  inova em compreender e interpretar a desigualdade e  leva o leitor a examinar a desigualdade ou a igualdade, uma em função da outra, estabelecendo, na prática, uma instância tanto crítica quanto interna corporis na especificidade do ato interpretativo. Superam-se, com esse método, os inconvenientes da departamentalização debatidos por Nelson Carvalho Marcellino (USP)  ao propor uma especialização baseada em problemas humanos, e não obedecendo a limites acadêmicos fazendo crer no equívoco de que as instituições estudadas fossem sistemas autônomos  na lição de C. Wright Mills”.

Embasada em longa experiência didática do autor, a obra preenche importante lacuna no cenário internacional, conforme avalia o professor de Teoria do Direito da UEFS, Agenor Sampaio Neto. Conforme avalia, a obra “é concebida como saber anistórico e de cunho global; a hermenêutica da desigualdade destina-se à inclusão de cada sujeito em face da consideração total de sua diferença para o usufruto pleno do direito e da cidadania, através de um passeio pela Hermenêutica, Filosofia, Sociologia, Economia, História, Antropologia, Semiótica”.

Taurino Araújo é doutor em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidad del Museo Social Argentino (Buenos Aires, 2017). Foi reconhecido com a maior honraria concedida pelo Estado da Bahia, a Comenda de Cidadão Benemérito da Liberdade e da Justiça Social João Mangabeira (CBJM, 2013) num restrito rol de notáveis, entre eles Jorge Amado. Também foi condecorado com o título de Cidadão Feirense na categoria de personalidade brasileira, título concedido a representações como o compositor e cantor Luiz Gonzaga.

 

Comentários